domingo, dezembro 04, 2011


Vais e vens conforme te apetece. Desapareces e apareces sempre que queres.

Eu permaneço aqui, impávida, serena. Sempre esperando. Com a esperança que um dia venhas para ficar, de vez. Ou que vás, de vez...
Quero deixar de ser o porto de abrigo que usas só quando uma tempestade invade a tua vida. Quero, também, ter coragem para deixar de sê-lo. Para te deixar, a ti e às incertezas...

4 comentários:

Palavra Já Perdida disse...

Força, às vezes basta isso **

L. disse...

Já tive exactamente o mesmo sentimento. E sinceramente? Acho que não vale a pena sofrermos por gente dessa,acredita...

L. disse...

Gosto de te ver a escrever novamente :D

SofiaCosta disse...

L. tenho estado um pouco ausente é verdade... falta de tempo... :)